PROF. HIST / CAPES

Mestrado Profissional em Ensino de História

Link Capes: http://www.capes.gov.br/sala-de-imprensa/noticias/7608-dezoito-universidades-aderem-ao-profhistoria

Coordenadora: Profa. Dra. Juçara da Silva Barbosa de Mello

Veja o edital 2016 : http://www.profhistoria.uerj.br 

 

Apresentação

O PROFHISTÓRIA é um programa de pós-graduação stricto sensu em Ensino de História, reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) do Ministério da Educação. É um curso de 2 anos com estrutura interinstitucional e oferta nacional, que conduz o aluno ao título de Mestre em Ensino de História. Seu maior objetivo é se constituir, a médio prazo, como um instrumento importante de formação continuada de professores da educação básica brasileira, visando dar ao egresso qualificação certificada para o exercício da profissão de professor de História.
O PROFHISTÓRIA é coordenado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e integrado por Comissões Acadêmicas Locais (CAL’s) que agremiam Instituições de Ensino Superior (IES) em vários estados da federação, denominadas de instituições associadas. A PUC-Rio é a única universidade privada que compõe o conjunto das IES associadas que compõem o programa.
O PROFHISTÓRIA busca desenvolver estratégias de articulação entre a Graduação e a Pós-graduação, bem como entre a Educação Superior e a Educação Básica, colocando em evidência o significativo papel a ser desempenhado pela universidade na formulação e execução de políticas públicas de formação docente – para os níveis de Ensinos Fundamental e Médio. Busca, portanto, promover a ação universitária além de sua tradicional atuação na formação inicial de docentes, ou seja, garantindo, através de um mestrado profissional, intervenção na formação continuada de professores, na perspectiva de forte impacto social.

 

Ingresso Docente: periodicidade e critérios

A admissão de discentes no PROFHISTÓRIA e a distribuição de bolsas de estudos se dão por meio de um Exame Nacional de Acesso, versando sobre um programa de conteúdo previamente definido e divulgado por um Edital. O Exame Nacional de Acesso consiste num único exame, realizado pelo menos uma vez por ano, ao mesmo tempo, nas Instituições Associadas, pelas Comissões Acadêmicas Locais;

As normas de realização do Exame Nacional de Acesso, incluindo os requisitos para inscrição, os horários e locais de aplicação do exame, o número de vagas em cada Instituição Associada, e os critérios de correção são definidos por Edital elaborado pela Comissão Nacional Acadêmica;

A seleção dos discentes aprovados e a distribuição de bolsas de estudos em consonância com os requisitos determinados pelas agências de fomento se dão pela classificação dos candidatos no Exame Nacional de Acesso, consideradas separadamente as ofertas de vagas disponíveis pelas Comissões Acadêmicas Locais.

Podem matricular-se no PROFHISTÓRIA diplomados em cursos de Licenciatura reconhecidos pelo Ministério da Educação, com atuação na disciplina escolar História na Educação Básica que atendam às exigências do Edital de Exame Nacional de Acesso ao PROFHISTÓRIA.
Os discentes serão matriculados nas Instituições Associadas, responsáveis por emitir o Diploma de Mestre em Ensino de História, uma vez cumpridos todos os requisitos para conclusão deste curso.

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO E LINHAS DE PESQUISA

Área de Concentração: ensino de história

Descrição: Como o conhecimento histórico pode contribuir para a reflexão sobre a relação entre passado / presente / futuro, permeada pela lembrança, pelo esquecimento e pelas expectativas de indivíduos e grupos, considerando que lembrar e esquecer são aspectos constitutivos da vida em sociedade, das identidades culturais e do pertencimento político? Partindo dessa questão, a pós-graduação com ênfase em Ensino de História dirige-se a duas demandas complementares. De um lado, à exigência de reflexão sobre o ensino escolar, considerando seus saberes e práticas, bem como a relação com a disciplina de referência. De outro, à necessidade de compreensão das múltiplas formas de ensinar e aprender história vigentes na sociedade contemporânea, para além da escola, que tensionam continuamente tanto à historiografia profissional como o ensino da disciplina em seus diferentes níveis. Isso porque o movimento atual em direção à memória e a luta por direitos contribuíram para acirrar as disputas sobre a escrita e o ensino da história, diversificando suas formas e promovendo múltiplos usos (e abusos) do passado. Cabe ao profissional da área investigar esse complexo movimento e os variados recursos ao conhecimento histórico, de modo a compreender a historicidade das experiências e as muitas possibilidades de escrever e ensinar a História.

 

Linhas de Pesquisa

1) Saberes Históricos no Espaço Escolar

Descrição: A Linha de Pesquisa desenvolve pesquisas sobre o processo de ensino e aprendizagem da história, considerando as especificidades dos saberes e práticas mobilizados na escola. O foco recai sobre as condições de formação do estudante e do professor e o exercício do ensino de História na escola, pensada como lugar de produção e transmissão de conteúdos, que atende a formas de organização e de classificação do conhecimento histórico por meio do currículo. Esse último é compreendido como conhecimento historicamente constituído, uma forma de regulação social e disciplinar.

2) Linguagens e Narrativas Históricas: Produção e Difusão

Descrição: A Linha de Pesquisa desenvolve estudos sobre a questão da linguagem e da narrativa histórica, considerando diferentes tipos de suportes, tais como livros, filmes, programas televisivos, sítios da Internet, mapas, fotografias etc. A partir da problematização do uso da linguagem, o objetivo é produzir materiais destinados ao uso educativo, considerando também as possibilidades de difusão científica da História.

3) Saberes Históricos em Diferentes Espaços de Memória

Descrição: A Linha de Pesquisa desenvolve investigações sobre a produção e aprendizagem da História fora do espaço escolar, considerando lugares distintos como os museus, o teatro, os centros culturais e o espaço urbano em geral. Identificando a história como prática sociocultural de referência, o foco recai sobre as variadas formas de representação e usos do passado no espaço público, com características distintas daquelas observadas na escola, a saber: o turismo de caráter histórico, os monumentos, as festas cívicas e as exposições.

 

Trabalho Final (Dissertação de Mestrado)

A dissertação tem por objetivo traduzir o aprendizado ao longo do percurso de formação, bem como gerar conhecimento que possa ser disseminado, analisado e utilizado por outros profissionais dessa área nos diferentes contextos onde são mobilizadas formas diversas de representação do passado.

i) A natureza desse trabalho, a despeito do formato que possa vir a assumir, deve traduzir obrigatoriamente as três dimensões abordadas ao longo do curso:
II) a apropriação dos estudos e debates recentes sobre as temáticas trabalhadas;a criticidade em termos do conhecimento e práticas acumuladas na área;
III) e as possibilidades de produção e atuação na área do ensino de história que contribuam para o avanço dos debates e a melhoria das práticas do profissional de história dentro e/ou fora da sala de aula. Para tal ele constará de duas partes: uma parte crítico-analítica (dimensões i e ii) e uma parte propositiva (dimensão iii).

O produto final pode assumir diferentes formatos como: texto dissertativo, documentário, exposição; material didático; projeto de intervenção em escola, museu ou espaço similar, a condição que incorpore as três dimensões anteriormente explicitadas.

A dissertação será realizada e avaliada em duas etapas:
A primeira etapa corresponde ao exame de qualificação, que consiste da apresentação e defesa do projeto de dissertação, que deve contemplar necessariamente a parte crítico-analítica do curso. Trata-se de um texto acadêmico no qual é preciso constar: a explicitação e justificativa do tema e problema de pesquisa; os objetivos do trabalho e as interlocuções teóricas privilegiadas bem como o plano que especifica e justifica o formato da dissertação pretendida. Essa etapa deve estar concluída até o final do terceiro semestre, quando o aluno deverá apresentar e discutir o trabalho com uma banca formada por três professores, sendo um o orientador.

A segunda etapa corresponde a dissertação propriamente dita, em um dos formatos estabelecidos em conjunto com o professor-orientador, que deverá ser defendido até o final do quarto semestre do curso. A defesa é feita em arguição pública por banca qualificada composta por três professores doutores, sendo um deles o orientador e tendo a participação de, ao menos, um professor externo à Instituição Associada.

 

Instituições Parceiras

No Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ (Coordenação Nacional)

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio
Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO
Universidade Federal Fluminense – UFF
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro –UFRRJ

 

Nos Demais Estados

Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
Universidade Federal de Santa Maria – UfSM
Universidade Federal do Rio Grande – FURG
Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS
Universidade Federal de Tocantins – UFT
Universidade Estadual de Maringá – UEM
Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul – UEMS
Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Universidade do Estado do Mato Grosso – UNEMAT
Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR
Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP
Universidade Regional do Cariri – URCA
Universidade de São Paulo – USP
Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG
Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT
Universidade Federal do Paraná – UFPA
Universidade Federal de Pernambuco – UFPE
Universidade Federal do Paraná- UFPR
Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN
Universidade federal do Sergipe – UFS
Universidade Federal do Amapá – UNIFAP
Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP